Rodrigo Pires defende união da direita e afirma que brincar com a esquerda seria erro fatal

Rodrigo Pires defende união da direita e afirma que brincar com a esquerda seria erro fatal
21/06/2021

De volta ao PSL, partido do qual foi presidente regional até 2018, o jovem empresário Rodrigo Pires, defende praticamente a mesma ideia expressada há pouco mais de um mês pelo também empresário Eduardo Velloso: a união dos partidos de direita para apoiar a reeleição do governador Gladson Cameli (PP) garantir as três vagas no Senado.

Em entrevistas ao programa RB Notícias, nesta quarta-feira, 16, ao vivo, na TV Rio Branco-SBT, Pires afirmou que a direita não pode e nem deve brincar com a esquerda.  As declarações de Pires foram dadas um dia após cinco partidos de esquerda terem se reunidos para iniciarem processo de discussão de candidaturas para a disputa eleitoral de 2022.

Integrante do social liberalismo, uma doutrina político-econômica que surge, em sua essência, da vontade de limitação do Estado para a consequente ascensão da liberdade individual, dos direitos individuais, da igualdade perante a lei, da proteção à propriedade privada e do livre comércio, Rodrigo Pires poderá ser candidato a algum cargo eletivo em 2022.

Na segunda-feira, 14, enquanto cinco partidos de esquerdas se reuniam para tratar da refundação da Frente Popular, o PSL promovia encentro no auditório da Livraria Paim, no centro de Rio Branco, ato para recepcionar 22 novas lideranças, entre as quais Rodrigo Pires e o doutor Eduardo Velloso. O secretário estadual de Saúde, doutor Alysson Bestene não assinou ficha, mas deverá ingressar no partido ainda este ano. Na visão de historiadores, as ideias liberais eram, intimamente, ligada às lutas da burguesia na Inglaterra do século XIII. Por isso que, por muitas vezes, o liberalismo foi e ainda é facilmente associado a essa classe social. Para o liberalismo, portanto, o Estado Mínimo é necessário para que se possa garantir as pautas defendidas pelos sociais liberais.

O liberalismo econômico, na visão de Rodrigo Pires, é uma ideologia baseada na organização da economia em linhas individualistas, rejeitando intervencionismo estatal, o que significa que o maior número possível de decisões econômicas são tomadas pelas empresas e indivíduos e não pelo Estado ou por organizações coletivas. As teses do liberalismo econômico foram criadas no século XVI com a clara intenção de combater o mercantilismo, cujas práticas já não atendiam às novas necessidades do capitalismo, sendo seu pressuposto básico a emancipação da economia de qualquer dogma externo a ela mesma. Criador da teoria mais aceita na economia moderna, Adam Smith, economista britânico, apontando como as nações iriam prosperar sob tal sistema. Baseados nas ideia de Adam Smith e outros pensadores da mesma corrente, os liberais lutam pela prosperidade econômica e a acumulação de riquezas, por meio das atividades rurais e comerciais. 

Acre 2050

Segundo Rodrigo Pires, o  Acre 2050 tem a coordenação suprapartidária de um grupo de jovens apoiados pela instituições mais importantes do Estado e através do relacionamento contínuo com as Universidades, grupos de pesquisas e centros acadêmicos, que têm a responsabilidade de reunir as melhores contribuições regionais, nacionais e até internacionais para refletir sobre o que os acreanos desejam para os próximos 30 anos. A iniciativa parte da constatação de que, apesar dos esforços de sucessivos governos comprometidos com a boa governança, o Estado do Acre precisa avançar de forma mais acelerada para atender às crescentes demandas sociais. Ainda segundo Pires, o Acre 2050 tem o objetivo de traçar estratégias para acelerar o crescimento econômico estadual nas próximas três décadas; respondendo de forma mais eficiente às expectativas da sociedade pela oferta de serviços essenciais – saúde, educação, abastecimento de água, segurança pública, geração de emprego e renda.

 

Fonte: https://www.oriobranco.net/noticia/acre/18-06-2021-rodrigo-pires-defende-uniao-da-direita-e-afirma-que-brincar-com-a-esquerda-seria-erro-fatal