Rodrigo Pires sobre a North Brazil Conference Acre

Rodrigo Pires sobre a North Brazil Conference Acre
05/07/2019

A Brazil Conference at Harvard & MIT é realizada pela comunidade brasileira de estudantes em Boston, nas universidades de Harvard & MIT, com o objetivo de promover o encontro com líderes e representantes da diversidade do Brasil.

No Acre, o Centro Regional trouxe o tema "Visões transformadoras para o Brasil de agora", com painéis que foram debatidos por personalidades e especialistas em diversas áreas.

O evento contou com o apoio de instituições que possuem valores condizentes com a Brazil Conference e que promovem o desenvolvimento econômico e social do Brasil, como a PWS, que foi uma das patrocinadoras oficiais.


Qual a importância de eventos como esse para discutir o futuro do Acre?

Um evento como esse mostra como é o jeito de pensar a construção da comunidade no Harvard & MIT. Então você traz pessoas que formam opinião sobre determinados assuntos que acrescentam na sociedade, e faz isso de forma regional mesmo, para falar sobre desenvolvimento cultural, econômico e social. Isso de uma maneira simples mesmo, através de painéis, mas que fortalece demais esse tipo de iniciativa no decorrer dos anos, como é feito já na Brazil Conference.


Rodrigo, você foi um dos painelistas convidados para o Centro Regional. Como destaca sua participação no evento?

Eu fui convidado para participar do painel de Desenvolvimento Econômico, e levei o ponto de vista de que o Acre precisa resgatar a sua verdadeira vocação, a produtividade do Agronegócio dentro dos limites de preservação - que eu acredito que o Acre já está acima dos limites nacionais e até internacionais. Que o Estado busque a verdadeira vocação para que aumente a receita, o PIB, e consequentemente a receita da população, trazendo mais renda e mais emprego. Então acho que levei um pouco pra academia esse olhar de empresário e de entusiasta do Agronegócio, pra mostrar isso que é o que eu realmente acredito pro Acre.


Como a PWS espera poder contribuir com o crescimento econômico e social e do Estado?

A PWS tem uma série de iniciativas no seu cronograma que mostram que ela não é um agente passivo, mas que ela é um agente transformador na sociedade. Tanto através de exposições, doações de campanha contra as drogas, como o livro que doamos e fala sobre a preservação do meio ambiente, incentivo ao esporte e também ao microempreendedor. Tudo isso mostra que a PWS visa devolver pra sociedade um pouco daquilo que a gente recebe. Então eu considero que a PWS seja uma agência de transformação dentro do Estado.